Análise do livro “Vicente Falconi – O que importa é resultado”, de Cristiane Correa

Por Simone França

Falconi é um dos melhores e mais influentes consultores em Gestão do país e hoje volto a falar dele, devido ao livro lançado em 2017: Vicente Falconi – O que importa é resultado”.

A Cristiane Correa, autora deste livro, relata em detalhes o pensamento e a trajetória de Falconi, revelando os princípios de liderança e gestão que transformam organizações grandes ou pequenas, públicas ou privadas em empresas mais lucrativas e eficientes. Ela também é autora dos livros “Sonho Grande” e “Abilio – Determinado, Ambicioso, Polêmico”.

O livro mostra a trajetória e as lições do ex-professor de engenharia da UFMG. Descreve os desafios de gestão que Falconi enfrentou trabalhando para grandes empresas nacionais como Ambev, Sadia, Gerdau e projetos para governos estaduais.

Conta ainda os bastidores da consultoria criada por ele, onde as disputas de poder colocaram em xeque as lições ensinadas pelo professor.

O Sistema de Gestão de Falconi é baseado em análise de dados, cumprimento de metas, controle, e padronização de processos para que a empresa atinja a máxima eficiência.

O método é inspirado nos sistemas de gestão usados por empresas japonesas, que buscavam atingir excelência e combater desperdício e aqui no Brasil essa metodologia ainda era desconhecida.

A ideia é resolver problemas para atingir metas, defendendo a busca pela excelência.

 

Confira, a seguir, 10 pensamentos resumidos de Falconi:

1. Sem medição não há gestão;

2. Cada chefia deve ter entre três e cinco metas prioritárias, nunca mais do que isso. As prioridades devem ser sempre estabelecidas dentro de cada nível gerencial, de preferência por um critério financeiro;

3. As métricas financeiras são as principais não só para empresas, mas também para governos e até para igrejas. Nada existe sem recursos financeiros;

4. Problema é a diferença entre a situação atual e a meta;

5. Alta rotatividade de funcionários é inaceitável numa empresa. Indica a insatisfação das pessoas com as condições de trabalho e equivale a um vazamento de informações da empresa;

6. Liderar é bater metas consistentemente, com o time fazendo o certo;

7. Demitir quando necessário. Afastar 5% a 10% por ano daqueles mais mal avaliados do time, abrindo espaço para novos valores e dando oportunidade para que os demitidos encontrem tarefas em que sejam mais felizes e valorizados;

8. Desculpas não constroem uma organização e são patéticas;

9. Dentro de uma organização, uma pessoa deve ser constantemente desafiada a buscar conhecimentos novos, e isso é feito por meio de metas ou de mudança de cargo, de forma a criar desconforto;

10. Os resultados do passado não servem para o futuro.

Essas regras se tornaram cartilha obrigatória pelas empresas que incorporaram o método criado pelo Falconi.

Esperamos ter despertado em você o interesse por essa leitura. Ela é válida para todos e principalmente por aqueles que ocupam cargos de liderança.

Boa leitura!

Livro: Vicente Falconi – O que importa é resultado

Autora: Cristiane Correa

Editora: Primeira Pessoa

Ano: 2017

 

Texto de: Simone França (Analista de TREINAMENTO – Educação Corporativa STV)
Edição e publicação: Vanessa Thalheimer

 

STV no caderno Marcas de Quem Decide

O Jornal do Comércio publicou hoje (25.03.13) o caderno especial alusivo ao prêmio Marcas de Quem Decide 2013. Além dos resultados em si, com gráficos comparativos de anos anteriores, ele traz colunas que tratam de assuntos diversos, com destaque para aquilo que envolve a gestão de marcas. Lembramos que no dia da premiação nós já haviamos divulgado nossa conquista (leia aqui).

Abaixo, reproduzimos o texto referente à categoria Vigilância, na qual a STV se manteve pelo terceiro ano consecutivo como a marca preferida dos gaúchos, bem como o nosso anúncio de agradecimento que igualmente foi publicado.

Arte: Rosângela Grub | Texto: Estefânia Martins

 

Líderes decidem mais usando a emoção

Segundo pesquisa realizada pela consultoria Lee Hecht Harrison|DBM, divulgada no caderno Pense Empregos do jornal Zero Hora (17.03.13), a emoção está influenciando cada vez mais na hora dos líderes tomarem decisões, embora a razão ainda predomine. Uma das principais causas para um maior equilíbrio entre ambos é o aumento no número de mulheres nos cargos de chefia. O intuito da matéria não era dizer que elas usam somente o coração, mas sim que há uma maior valorização das circunstâncias e contextos em detrimento a dados e fatos racionais. O contexto igualmente tem influenciado os homens, visto que eles estão tendo que aprender a lidar com questões mais complexas e em cenários pouco conhecidos, o que não possibilita uma avaliação meramente lógica. Neste caso, portanto, o “sexto sentido” acaba sendo fundamental.

Reprodução: Pense Empregos | ZH Classificados – Fonte: LHH/DBM